Como se Lucra 12.000 Dólares por Dia Vendendo Armas de Counter Strike

Todos sabemos que o comércio de armas é um dos mercados mais lucrativos do mundo. O que parece ser novidade é que o setor de armamentos virtuais também pode, com alguns cliques, virar uma mina de ouro.

Os gamers canadenses Artur Minacov, de 21 anos, e John Brechisci, de 28, que digam: eles fundaram em janeiro de 2015 um site chamado OPSkins para comprar e vender skins de armas de games na rede e hoje dizem fazer uma fortuna de US$ 12 mil ao dia.

Com sede em Montreal, o OPSkins funciona em um esquema de caução para a venda de armas virtuais – conhecidas como skins – no game de tiro em primeira pessoa Counter-Strike: Global Offensive. Os usuários entram no site e colocam suas skins para venda; a empresa então as mantém em estoque até que o dinheiro do comprador seja recebido.

Minacov e Brechisci administram os riscos de cada transação e ganham 10% de cada venda. Os dois fundadores afirmam lidar com uma média de US$ 120 mil em vendas por dia, o que gera uma renda diária de US$ 12 mil e um salário mensal que nem iremos comentar para você não cair da cadeira de inveja. (Ok, vai: dá para tirar mais de US$ 300 mil em um bom mês.)

Ambos dizem ter dado início ao negócio por que os jogadores estavam sendo enganados ao venderem suas armas virtuais no Steam Community Market, comércio popularíssimo da desenvolvedora de Counter-Strike, a Valve.

“As pessoas costumavam vender suas armas diretamente nos fóruns”, disse Minacov. “O comprador pagava via PayPal, mas depois pedia seu dinheiro de volta assim que recebia o item. Quem vendia estava sendo enganado. A comunidade não estava muito feliz com a situação, então tentamos encontrar uma solução.”

O motivo pelo qual alguns usuários buscam vender itens fora do comércio oficial da Valve é simples: quando um usuário vende skins ali, ele só pode usar o lucro para comprar outras skins ou novos jogos, disse Minacov, que administra a empresa diretamente do porão da casa de seus pais.


“No nosso caso, as pessoas recebem o dinheiro de cada venda. Alguns podem lucrar muito”, explicou.

Novas skins em Counter-Strike são distribuídas aleatoriamente ao se completar desafios ou então compradas no Steam Community Market – e todos os dias, entre 10 mil e 15 mil itens são vendidos no site da OPSkins. Alguns deles ao custo de milhares de dólares. O mais caro, uma faca virtual, custou US$ 5 mil.

É loucura pagar tudo isso por uma arma virtual? “Há uma escassez de certos itens, mas todos são cosméticos”, disse Brechisci. “Muitos usuários acham isso tudo ridículo. Mas pelo menos 370.000 usuários, não.”

Ao passo em que a OPSkins é totalmente independente do Steam Community Market, seus donos afirmam que a Valve não lhes deu nenhuma dor de cabeça. “Conversamos com o pessoal da Valve”, disse Brechisci. “Eles nos fecharam uma vez. Investigaram o que

fazemos e então nos liberaram.”

De fato, os negócios vão tão bem que a OPSkins agora tem 20 funcionários espalhados por EUA, Canadá e Europa.

No próximo 9 de julho, Montreal servirá de anfitriã para a ESWC Counter-Strike: GO World Finals, e a OPSkins será sua principal patrocinadora, investindo US$ 100 mil no evento. “É algo gigantesco para nossa cidade”, disse Minacov.


E é uma dinheirama para um jovem de 21 anos que ainda mora com os pais. Mas o empreendedor não se prende aos números. “Queremos retribuir à comunidade ao mesmo tempo que divulgamos nosso produto.”


FONTE: Motherboard/Vice

Related posts

Leave a Comment